Apresentação

Carlos Mathias e Reuben Hersh  apresentando um trabalho no Congresso CFL80, ocorrido na UERJ, em 2010.

A Página Matemática Humanista é coordenada por Carlos Mathias, um educador matemático carioca, músico e professor associado do Departamento de Matemática Aplicada da Universidade Federal Fluminense.

Carlos Mathias é um dos precursores da Filosofia Humanista da Matemática no Brasil, que originalmente foi proposta pelos matemáticos e filósofos Reuben Hersh e Alvin White, na década 90. 

Matemática Humanista

   A Matemática Humanista é uma filosofia que entende a natureza das matemáticas como sendo histórica e cultural, assim como faz a Etnomatemática (Ubiratan D´Ambrosio) e o Socioconstrutivismo (Paul Ernest). A filosofia humanista situa posicionamentos diante do ensino e da aprendizagem de Matemática bastante diferentes daqueles mais usualmente vividos nas escolas e nas universidades. Seu foco está nas pessoas, na aprendizagem, não no "ensino de conteúdos".

Os Professores Ubiratan D'Ambrosio e Carlos Mathias

    Na filosofia humanista da Matemática, os objetos e conceitos matemáticos são percebidos de forma expandida pelas nossas práticas, eles são variáveis no tempo, na medida em que as práticas humanas que os evocam e os significam mudam ao longo do tempo.  Os objetos e conceitos matemáticos são construções humanas realizadas a partir da necessidade de se resolver problemas, das dúvidas, angústias e desejos sentidos e vividos ao longo da história. Perguntas, necessidades e suficiências mudam no tempo, pois elas são de natureza sociopolítica, são culturais.

   Atualmente, a filosofia da Matemática mais disseminada é o Platonismo. Nessa perspectiva, os objetos matemáticos possuem uma existência objetiva, em um mundo ideal à parte do nosso. No Platonismo, caberia às pessoas transcenderem a tal mundo ideal onde mora a matemática, a fim de observarem (ou descobrirem) objetos existentes desde sempre, limpos, perfeitos, assépticos.

  A filosofia humanista da Matemática se opõe diametralmente ao Platonismo, pois acredita que a crença platônica é humanamente (e culturalmente) excludente e corrobora elitismos que afirmam que a "capacidade de fazer matemática como uma característica inata, à qual aderem dons e talentos".
   Por que eu abri esse programa que chamo de Matemática Humanista? Porque eu acredito que aquilo que você acha que a matemática é define, em termos bastante amplos, como você lida com ela, como você a aprende e como você a ensina. Eu desejo ir além da discussão acerca do que SEJA a Matemática: quero discutir AS MATEMÁTICAS QUE QUEREMOS TER, pois elas, no meu ver, deveriam ser meios para vivermos amorosamente, eticamente e democraticamente: conteúdos, conceitos e práticas matemáticas são meios, não fins. A Matemática Humanista é um ato político cujo fim é o bem estar, a felicidade, a união, o reconhecimento das diferenças e a crítica democrática.
     O Programa Matemática Humanista está em todas as principais plataformas e redes sociais: YouTube, Facebook, Instagram e Twitter e, também, no Spotify e no iTunes (Podcast Matemática Humanista). O programa é uma iniciativa leve para interessados em Matemática e Educação, sejam leigos, experientes, educadores, professores, estudantes, pais, filhos ou famílias.

   
Sejam bem vind@s!!

Carlos Mathias