EM_LOGO_transpare.png
Etnomatematicas transparente.png
White on Transparent.png
VEm.png
 

Elisama de Jesus Gonzaga Santos

As Relações entre Matemática Humanista e Pedagogia


A mola propulsora da minha participação no VEm Humanistas se pautava em ter uma continuidade das discussões sobre a Etnomatemática, que conheci por meio do VEm Brasil, potencializando com isto esta experiência.

A qualidade das discussões apresentadas e postas em debate pelos/as pesquisadores/as, mediadores e educadores/as foram além das minhas expectativas, eles/as aproveitaram este espaço formativo para produzir diálogos ricos em aprendizagens diversas, seja pela divulgação das experiências dentro dos grupos de pesquisas sobre Etnomatemática, e/ou dentro dos debates carregados de questionamentos com respostas provocativas que culminavam em novos diálogos. Ressalto a divulgação dos projetos de pesquisas do GEPEM com fundamentação teórica pautados na decolonialidade dos saberes apresentando o trabalho de pesquisadores envolvendo artefatos indígenas e jogos africanos, relacionando a educação matemática para justiça social por meio do autor Eric Gustein despertando em mim buscas por novos conhecimentos. Ainda destaco a proximidade e conexão nas falas entre os/as apresentadores/as, como exemplo a fala do professor Ubiratan D’Ambrosio sobre a necessidade de valorização dos conhecimentos para além do grupo dominante, que associei com as falas do professor Carlos Matias quanto ao reconhecimento de que a Matemática é humana devendo portanto ser compreendida como partícipe das Ciências e Filosofias existentes em todos os espaços, endossado com suas colocações quanto à necessidade de rompermos com a avaliação apenas classificatória, e pensarmos o erro como elemento importante na mediação para construção de novos saberes.

Foram inúmeras aprendizagens que dialogam com as reflexões dentro dos cursos de Pedagogia, deixando nítido o quanto urge a necessidade de ampliarmos estes debates nas licenciaturas de modo geral, e por meio dos estudos aliados às nossas práticas, continuarmos resistindo esperançosamente como nos ensina Paulo Freire, no propósito de alcançarmos o objetivo da educação que é a aprendizagem significativa dos/as nossos/as discentes.

D'AMBROSIO, Ubiratan. Visão Historiográfica da Etnomatemática como Empreendimento Humanista. Disponível em:< https://www.dropbox.com/s/ylvlxy5fg5ja5p5/Vis%C3%A3o%20historiogr%C3%A1fica%20da%20Etnomatem%C3%A1tica%20como%20empreendimento%20humanista%20Dambrosio.pdf?dl=0 >.
Acesso em 25/11/2020.