EM_LOGO_transpare.png
Etnomatematicas transparente.png
White on Transparent.png
VEm.png
 

Luciane Aparecida Varela

Como apaixonar-se por matemática, através de um evento


Aprendi a gostar de matemática com meu pai, Seu Darcy, homem simples de profissão pedreiro, e com apenas a 4a série do ensino fundamental, morávamos na zona rural e com pouco recursos, mas toda noite sentávamos na varanda de casa e olhando as estrelas meu querido e amado pai nos ensinava as constelações e também a matemática, fazia com que a gente pensasse em cada operação matemática e dessa maneira amava a matemática, pois ele dizia que tudo precisa de números para ser resolvido, e esse era o momento que nos deixava mais próximos, assim hoje como professora tento fazer com que meus alunos se apaixonem pela matemática, como eu me apaixonei

Em busca de maneiras de despertar a paixão em meus alunos, conheci o canal VEm Humanistas, no qual adorei a forma de ver como era colocada a matemática, e fiz minha inscrição no canal, assistindo ao vídeo: BNCC e a construção de currículos à luz da inclusão escolar com a Professora Maria Teresa Mantoan, que fazia parte do I Seminário ONLINE de Educação Matemática Inclusiva da Matemática Humanista! Um evento lindo ao qual trata da Inclusão em seus múltiplos aspectos! Fui apresentada ao evento Virtual EtnoMatemaTicas Humanistas - VEm Humanistas, e que evento!

Evento muito rico, de muito aprendizado, emoção, dúvidas, certezas e com tardes que não queríamos que acabassem, esse evento além de trazer muito conhecimento, também nos proporcionou conhecer a etnomatemática, no qual dessa maneira podemos compreender e valorizar a matemática em diversos âmbitos, pois ela está na nossa cultura e nosso dia a dia, como disse a professora Eliane Costa Santos “Reconhecer a existência de outras culturas” e “Reconhecer Colonialidade do Poder do Ser e do Saber.” Apontando a escola humanista como disse Carlos Mathias: ”Ver nas diferenças os elementos que garantem fidelidade à aproximação ética, solidária e respeitosa.” Isso é apaixonar-se pela matemática.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: Arte ou Técnica de Explicar e Conhecer. 4a Ed. Ática. São Paulo, 1998b.

SANTOS, Eliane Costa dos. As ‘ticas’ de ‘matema’ de um povo africano: um exercício para sala de aula brasileira. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, Colômbia, v. 1, n. 2, p. 27-50, 2008..